‘R$ 1,8 milhão boiando, e era tudo o que a gente tinha’, diz dono de fábrica de alfajor em Porto Alegre

Lia Xan
Lia Xan 3 Min Read
3 Min Read

O Fantástico deste domingo (19) mostrou que, na capital gaúcha, muitas empresas ainda estão debaixo d’água. Assim, é mais demorado ter uma noção do prejuízo. Uma área industrial virou um bairro fantasma.

Dias após fortes chuvas atingirem o Rio Grande do Sul devastando cidades, ainda é difícil calcular o prejuízo.

Em Porto Alegre, um área industrial virou um bairro fantasma — e muitas empresas ainda estão debaixo d’água, como mostrou o Fantástico deste domingo (19).

É o caso da empresa de alfajor de Jeison Scheid e Kaue Bohrer, que visitaram o local de barco. As marcas na parede mostram que a água está baixando.

“Essas caixas prontas estariam indo para a doca para esperar o caminhão coletar e chegar no cliente. Devia estar saindo ali umas 400, 500 caixas por dia dessas de embarque. Dez mil unidades por hora que a gente conseguia fabricar”, disse Jeison Scheid, dono de empresa de alfajores.

“Aqui é onde ficava toda nossa matéria prima. Toneladas de chocolate, toneladas de biscoito e toneladas de doce de leite”, amentou Kaue Bohrer.
“R$ 1,8 milhão boiando, e era tudo que a gente tinha.”


Cidades do Rio Grande do Sul têm, agora, o desafio de seguir em frente com a vida em áreas devastadas. No estado, 700 mil micro e pequenas empresas foram afetadas pelas enchentes, especialmente no Vale do Taquari, na Serra e na Região Metropolitana de Porto Alegre.

Em Porto Alegre, um área industrial virou um bairro fantasma — e muitas empresas ainda estão debaixo d’água, como mostrou o Fantástico deste domingo (19).

É o caso da empresa de alfajor de Jeison Scheid e Kaue Bohrer, que visitaram o local de barco. As marcas na parede mostram que a água está baixando.

Cidades do Rio Grande do Sul têm, agora, o desafio de seguir em frente com a vida em áreas devastadas. No estado, 700 mil micro e pequenas empresas foram afetadas pelas enchentes, especialmente no Vale do Taquari, na Serra e na Região Metropolitana de Porto Alegre.

Share This Article
Leave a comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

fapjunk
Reading: ‘R$ 1,8 milhão boiando, e era tudo o que a gente tinha’, diz dono de fábrica de alfajor em Porto Alegre

© 2024 Globo Brasil- [email protected]